Marketing Digital e o que fazer para vender melhor

Marketing Digital tem como um dos seus pilares principais a produção, publicação e indexação de conteúdo nos mecanismos de busca. Ao longo destes mais de 5 anos eu escrevi diversos posts sobre o que fazer para vender melhor usando entre outras ferramentas, blogs e marketing de conteúdo. Eu listei alguns posts que considero relevantes para estes temas abaixo: Continue lendo 'Marketing Digital e o que fazer para vender melhor'»

Marketing Digital proporcionando aulas de empreendedorismo muito além da sala de aula

O marketing digital tem me proporcionado desafios interessantes como:

  • Realizar palestras e seminários de marketing digital em Campinas e São Paulo,

  • Treinar equipes de venda para usar as ferramentas digitais para vender melhor,

  • Ser indicado como referência por Empresas centenárias para dar entrevistas na TV

  • Ser convidado para dar aulas de pós-graduação

  • Fazer empresas gastarem menos com propaganda tradicional e produzirem leads como nunca produziram antes

  • Ajudar agências de propaganda a reinventarem a forma que a propaganda gera resultado para os anunciantes

Mas, um destes desafios tem sido particularmente o mais interessante e motivador dos últimos 5 anos. Atualmente eu sou o que podemos chamar de Professor de Empreendedorismo para alunos do Ensino Fundamental 2, ou simplesmente agitador de potencial empreendedor.

Funciona assim: você encontra estudantes de 10, 11 e 12 anos 1 vez por semana e faz eles terem certeza e convicção plena de que mudarão o mundo desde já.

Bom para fazer isso acontecer há uma metodologia, chamada OPEE ( Orientação Profissional, Empregabilidade e Empreendedorismo ), cujo o autor é o renomado Leo Fraiman que cultiva uma vasta carreira dedicada ao desenvolvimento do projeto de vida dos estudantes, e que é a linha que ajuda a tecer as aulas e atividades multidisciplinares desta matéria divirtidíssima e empolgante.

Como o público-alvo já nasceu na era digital, usar a internet para complementar as aulas não é um problema, como algumas vezes é com gerações com mais idade e paradigmas mais sólidos. Até me surpreendi ao constatar o fato de que para eles, pré-adolescentes, email é “coisa de velho”.

blog-empreendedorismo marketing digital

Criei um blog para o Colégio Álamo, o Conexões Nervosas – Ideias muito além da caixa craniana, onde eu estou me divertindo muito ao publicar conteúdo complementar às aulas.

Abaixo, listo os primeiros posts, que como mencionei, já estão sendo usados nas aulas de empreendedorismo.

Criar o que não existe com aquilo que você não tem

Uma das melhores definições sobre empreendedorismo que eu tive a oportunidade de ouvir: ” Empreendedorismo é criar o que não existe com aquilo que você não tem.” Simples. Direto. Sintetizador. Prático. Aliás, ouvi várias vezes de diferentes pessoas.

Veja o post completo

Acorde cedo, trabalhe duro e faça acontecer

No empreendedorismo muito se fala em sonhos, sonhar grande, que devemos sempre sonhar. Sonhar é fundamental. É o primeiro passo. Mas …

Veja o post completo

Como anda a sua autoestima?

No Colégio Particular Álamo, um dos objetivos da matéria empreendedorismo é criar provocações na mente e na alma de nossos alunos sobre quem são, sobre como se percebem, sobre suas habilidades. Queremos lançar questões profundas para que comecem a pensar em seu projeto de vida. Veja o post completo

Conversamos sobre atitude empreendedora com o CEO da Digitale

Uma trajetória super inspiradora para quem deseja iniciar o próprio negócio. É assim que podemos resumir os últimos 11 anos da História de Samuel Leite, o atual CEO da Digitale, que faz parte da maior multinacional brasileira de comunicação. Veja o Post completo

Como aumentar a qualidade da sua lista de e-mails e reduzir custos de comunicação para vender mais e melhor

ORÇAMENTO DE LIMPEZA DE MAILLING E MANUTENÇÃO DE LISTA DE EMAIL MARKETING E NEWSLETTER

DOWNLOAD ORÇAMENTO COMPLETO NO FINAL DO POST

Em 1995 era possível pensar em ter um negócio competitivo sem ter um site. Atualmente, em 2013, praticamente não dá para ser competitivo sem estar presente na internet. Toda esta mudança aconteceu em 18 anos e se você não adaptou o seu negócio, hoje pode estar sendo mais difícil continuar sendo competitivo com um negócio que fatura e é lucrativo.

Durante estes 18 anos, o e-mail marketing tornou-se “velho”. As novas gerações preferem os canais de comunicação imediata como mensagens tipo SMS, Skype, Chats ou aplicativos mobile como o What’s Up.

Porém o email marketing, além de “velho”, fortaleceu-se como um clássico e hoje, nos Estados Unidos, ocupa o terceiro lugar entre as principais fontes de tráfego que compram ou solicitam orçamentos na internet, segundo dados apresentados durante o maior evento de E-commerce do planeta em outubro de 2013, o Shop.org 2013, que acontece anualmente nos Estados Unidos.

Você deve estar lembrando agora da enxurrada de Mensagens Spam que atolam sua caixa de entrada e questionando a veracidade destes números que citei acima. Pois, é …

Cada vez mais temos mensagens tipo spam e cada vez mais temos filtros inteligentes e práticas anti-spam aprimoradas, capazes de garantir altas taxas de entregabilidade para listas de e-mails que foram construídas de forma orgânica, natural, onde os clientes pedem para receber as mensagens.

Se você simplesmente compra uma lista de milhares ou até mesmo milhões de e-mails que não é tratada e utilizada com frequência e relevância, você vai estar longe de ter os e-mails como terceira fonte de tráfego no seu site.

Se você produz conteúdo com frequência e envia mensagens relevantes com frequência para a sua base de clientes cadastrados, entendendo o perfil de cada grupo, suas chances de sucesso são excelentes.

 

Porque o email marketing está forte como nunca?

Eu entendo que pelo fato da explosão de smartphones deixar as pessoas conectadas praticamente 100% do tempo, o e-mail foi beneficiado.

Junto disso, a grande variedade de plataformas de gestão e envio de e-mail marketing e newsletters com preços mais acessíveis e a evolução dos filtros anti-spam estão cada vez mais tornando o e-mail marketing um dos canais de comunicação e aquisição de clientes com o melhor custo benefício, perdendo apenas para o melhor de todos, que sempre será o melhor que é a indicação, o boca-a-boca promovido por clientes satisfeitos.

Com o domínio dos motores de busca como o Google, as campanhas de links patrocinados tornaram-se um canal cada vez mais acessível e com custos baixos. Porém, os links patrocinados estão inflacionados, o que torna o custo de aquisição de novos clientes muito caro.

Além disso, se a empresa que faz links patrocinados para ter tráfego no seu site e não cadastra o cliente para depois conversar diretamente com ele por e-mail, estará pagando repetidamente o custo do link patrocinado para ter o acesso do cliente novamente.

Este custo poderá ser reduzido se o site conquistar tráfego orgânico ( aparece nas primeiras posições de forma natural, sem pagar para o Google ) por causa do SEO e do Marketing de Conteúdo, mas se não tiver o cadastro do e-mail do cliente para depois enviar mensagens pertinentes e relevantes, este custo ao longo do tempo também poderá tornar-se impraticável.

 

Como deve ser realizado o cadastro de e-mails de clientes ou leads (quem ainda não comprou) ?

O ideal é ter um formulário simples de cadastro do usuário no seu site e se você tem um ponto físico ou outras formas de interação com o público-alvo, ter uma forma de cadastrar os e-mails destas pessoas.

Se possível, tenha opções de interesse para conseguir segmentar sua lista. Opções de localização como cidade, estado ou cep também são relevantes.

Os cadastros geralmente acontecem por fatores de seleção de interesse como:

  • Cadastre-se para saber o preço / receber orçamento
  • Cadastres-se para receber dicas sobre determinado assunto
  • Cadastre-se para ter acesso a  um conteúdo ( donwload, acesso restrito, etc )
  • Cadastre-se para ter desconto, benefício, participar de promoção ou concurso

Porém, o crescimento da lista desta forma demora. É a lei da colheita.

Uma lista de boa qualidade deve ter uma taxa de abertura entre 15% e 25%. Você deve ser tarado por buscar uma taxa de abertura de 30%. Há diversos fatores que influenciam esta taxa de abertura e poderemos tratar especificamente de cada um deles depois.

Além disso, dá um trabalho duro produzir conteúdo realmente relevante e ações realmente impactantes para fazer o sujeito dar o e-mail dele para você.

Por isso, muita gente compra listas ou compra disparos.

 

Devo comprar listas ou comprar disparos de e-mail marketing?

COMPRA DE ENVIO

Eu recomendo que você compre o disparo, porém sempre de empresas que tratam suas listas de forma constante e dentro das políticas anti-spam. A lista deve ser limpa constantemente e deve receber mensagens de interesse do segmento específico que a lista representa.

A mensagem que você vai enviar deverá ser altamente relevante para o perfil da lista que você está comprando o envio.

E principalmente, você deverá ter uma página focada em receber o tráfego da mensagem que foi enviada para esta lista e convertê-lo em cadastro.

Estes serão os melhores e-mails que você poder ter deste envio comprado. Eles tem potencial de abertura e de conversão em cliente.

COMPRA DE LISTA

Eu realmente NÃO RECOMENDO que você compre listas de milhares de e-mails que custam baratinho. Estes e-mails são capturados por robôs de forma extremamente genérica e a qualidade destas listas é muitíssimo baixa.

Elas tendem a ter uma quantidade de erros no primeiro disparo extremamente alta e as ferramentas de envio de email marketing irão bloquear a sua conta por causa disso.

Além disso, o domínio do remente da mensagem ficará classificado como SPAM e a entregabilidade das suas mensagens será afetada por um bom tempo.

Mas, se você está decidido a comprar, que compre uma lista ativa e tratada com frequência. O melhor sinal de que isso acontece é o valor da lista ser caro, ou você ter que negociar bastante para convencer o dono da lista a vende-la e não vender somente o disparo.

 

TRATAMENTO DE LISTA DE E-MAILS

LIMPEZA INICIAL

Sua lista passará por um processo inicial de limpeza para realizar a retirada dos e-mails inválidos e que apresentam erro durante o processo de envio.

Este processo é mais demorado pois a lista deverá ser organizada, se possível, em diverentes seguimentos e após o envio ser realizado há uma altíssima probabilidade da lista ser bloqueada devido a alta taxa de erro. Dependendo do volume de e-mails esta etapa poderá levar até 15 dias.

REATIVAÇÃO DE CADASTROS

Os e-mails limpos entrarão agora em outra ferramenta, específica para o envio de e-mail marketing e newsletter.

Será elaborada uma mensagem com foco no perfil do segmento que sua empresa trabalha, com foco na atualização do cadastro.

Na sequência será enviada uma outra mensagem, dentro de 5 dias, com conteúdo altamente relevante para o usuário e com foco na taxa de abertura da mensagem.

LIMPEZA FINAL

Somente os usuários que abriram as mensagens durante todo o processo de limpeza permanecerão na lista, o que deverá impulsionar sua taxa de abertura de mensagens.

 

AGORA NÃO TEM MAIS VOLTA

Se você não der sequência no envio de novas mensagens com conteúdo relevante, que realmente interessa, sua lista de e-mails irá deteriorar novamente.

A cada 90 dias, cerca de 30% da lista já tem alta probabilidade de estar comprometida.

É preciso manter-se presente constantemente, dentro da prioridade e frequência determinada pelo usuário.

IMPORTANTE

A – Para que isso funcione, você precisa ter uma produção no mínimo quinzenal de conteúdo em um blog dentro do seu site.

B – Você precisa ter um formulário de cadastro simples no seu site

C – Não faça somente mensagens do tipo “folheto de propaganda”. Precisa ter conteúdo relevante, precisa ter texto que ajude o usuário a resolver problemas, e para resolver alguns destes problemas ele precisará comprar ou consumir algo que você vende.

D – A ferramenta de envio deverá estar integrada com o site para realizar o envio destes conteúdos de forma automática. Atualizou o site, a mensagem é enviada na data que você programou.

 

 Quer saber mais?

Mande para rogerio@kobal.com.br o seu objetivo, o resultado que você deseja obter e acredita que uma lista de boa qualidade irá ajudar a conquistar

Palestra sobre Negócios na Internet

Pessoal, para quem foi na palestra que aconteceu em outubro na Saraiva do Shopping Iguatemi, aqui estão os slides.

Para quem não foi, além dos slides abaixo, leia o artigo

Perguntas sobre Marketing Digital e Lojas Virtuais para você se fazer antes de investir nisso

3 perguntas sobre comércio eletrônico para fazer você pensar.

Muito se fala em eventos, cursos e palestras Brasil afora sobre o fato do comércio eletrônico no Brasil não proporcionar operações lucrativas. É assustador saber que empresas como a Netshoes, que gera uma média de 40.000 pedidos por dia ( isso mesmo, 40.000 pedidos por dia ) e tem um volume da ordem de  14 milhões de visitas por mês, tem dificuldades para tornar a operação lucrativa.

Por conta disso, aqui vão 3 perguntas para fazer você pensar:

1. Qual é a taxa de retorno ou o ROI que você tem sobre os investimentos para gerar tráfego no seu site?

Se você não sabe o que é ROI ou não faz a conta para determinar se o seu Retorno sobre Investimento em ações de propaganda é adequado, você pode até ter clientes, mas talvez não tenha lucro. Sua operação dá prejuízo ou você tem um sério problema de fluxo de caixa.

Se depois de fazer a conta, o seu ROI for 4 ou menor que isso, você está comprometendo 25% ou mais do faturamento somente com a aquisição de novos clientes. Se for links patrocinados, 25% do que você fatura na aquisição de novos clientes está indo para o Google.

Pior ainda se o cliente que já comprou de você clicar novamente nos links patrocinados para fazer uma nova compra. Sua conta nunca vai fechar!

 

2. O que você faz para gerar tráfego engajado e de referência no seu site?

Tráfego engajado é o maior aliado na construção de um ROI saudável no e-commerce. Porém dá muito trabalho porque tem que pensar fora da caixa, sair do mesmo, e fazer ações com conteúdo inédito e altamente relevante para o seu público-alvo.

O custo de aquisição de novos clientes através do tráfego engajado é bem menor, o que gera taxas de retorno bem mais competitivas. O engajamento vai muito além dos likes. O engajamento envolve comentários, participação ativa e compartilhamentos feitos pela vontade própria dos clientes e não somente por que podem ganhar algo.

 

3.  Como você organiza o mix de produtos do seu e-commerce?

Se você tem uma loja física e uma loja virtual, saiba que somente 14% dos clientes compram em ambas. O restante, ou compra só na física ou só na virtual.

Os clientes que compram nas lojas virtuais gastam mais, preferem pagar com cartão e parcelar. Por isso, os produtos da sua loja virtual devem ser da sua curva A, B e talvez C, ou seja, os produtos que mais vendem e que você possui mais margem.

Você precisa fazer isso para sua operação ser lucrativa. O que você vende na loja física com lucro, pode dar prejuízo se for vendido pela internet. Você já parou para fazer esta conta que envolve taxas de cartão de crédito,  taxas de gateway de pagamento, custo de marketing, logística, análise anti-fraude, fluxo de recebimento, possível logística reversa e por ai vai…

 

Participe! Comente! Divida sua experiência e ajude a construir um mercado melhor em um país melhor. Dividindo a sua experiência com o seu comentário, você poderá abrir a mente de alguém que pode estar tendo muitas dificuldades em uma operação de comércio virtual. Lendo comentários de outros, você poderá ter ideias fenomenais para tornar o seu negócio mais competitivo. Comente, comente, comente!

Perguntas sobre Marketing Digital e Lojas Virtuais para você se fazer antes de investir nisso

Unisal Campinas e Livraria Saraiva Shopping Iguatemi apresentam Rogério Kobal, consultor de marketing digital em:

Negócios na internet: são um bom negócio?

neste sábado 19/10, 18h na Livraria Saraiva do Shopping Iguatemi Campinas

Descubra algumas das melhores perguntas que você precisa ter em mente para encontrar as melhores respostas para suas dúvidas, medos e anseios sobre como usar a internet para vender melhor. Todos os dias eu recebo várias perguntas de pessoas interessadas em abrir uma loja virtual. São pessoas que já possuem um trabalho que lhes proporciona uma renda fixa, ou já possuem uma loja física e desejam ter uma loja virtual.

Algumas pessoas possuem empresas de serviços e desejam criar versões de seus serviços que poderiam ser compradas pela internet.

Acredito que o o ponto em comum entre todos é a percepção equivocada de que uma loja virtual é um investimento barato e que não gera muito trabalho e preocupações.

Veja bem, não existe dinheiro fácil. Muito menos site fácil de fazer. Menos ainda uma loja virtual baratinha e que não dá trabalho mas vende muito depois que entra no ar. Não tem mágica. O sinônimo do sucesso é tem origem nos 4 F´s do empreendedorismo: Foco, Fé, Força e Fôda-se! Tenha coragem de trabalhar muito, como você nunca trabalhou antes em busca dos seus objetivos.

Eu reuni diversas perguntas que respondi nos últimos meses sobre abertura de lojas virtuais na internet. São respostas baseadas em conteúdos apresentados em alguns dos principais eventos de comércio eletrônico de 2013, entre eles o IRCE 2013, o Shop.org 2013, que acontecem anualmente nos Estados Unidos, além do Rakuten Super Expo 2013 que aconteceu recentemente em São Paulo, e claro, em histórias de fracassos e sucessos meus, de clientes e amigos.

Durante a Palestra sobre Negócios na Internet, que acontece neste sábado dia 19/10 na Saraiva do Shopping Iguatemi Campinas, eu vou responder a todas estas perguntas, além das dúvidas e questionamentos que você levar.

 

Quanto custa ter uma loja virtual?

Preparei uma tabela simples comparando diferentes plataformas e tamanhos além de ressaltar as necessidades de divulgação e manutenção após o lançamento da loja.

O que eu preciso fazer para abrir uma loja virtual?

São vários itens muito importantes no que diz respeito a estrutura além de escolher muito bem o segmento de atuação e as categorias de produto

Preciso me preocupar com gateway de pagamento e análise de risco em pagamentos com cartão de crédito?

É fundamental que a tecnologia da sua operação de comércio eletrônico proporcione formas de pagamento estáveis, seguras e que estejam preparadas para o seu volume de transações. Segundo o diretor do Ibope em sua apresentação no Rakuten Super Expo, algumas da principais lojas de comércio eletrônico do Brasil chegam a ter 1 pedido a cada 10 segundos em momentos de pico! Saiba mais sobre este item que impacta sua lucratividade e faturamento diretamente durante a palestra.

 

É viável Investir em links patrocinados para ter uma operação de venda lucrativa na internet?

As palavras-chave dos produtos mais concorridos estão inflacionadas. Hoje é muito caro pagar o preço do clique de produtos de alto giro e desejo. Isso associado a um cenário onde a conversão média de visitas em compras é de 1% ( a cada 100 viistas, temos 1 compra ) o gasto praticado para se vender um produto pode chegar a 30% do valor do pedido. A conta não vai fechar nunca. Saiba mais na palestra.

Qual plataforma é a mais indicada para começar uma loja virtual?

Para quem é pequeno e está começando, é altamente indicado estar presente em um market place para usufruir da diluição de custos e pagamento por resultados. Mas uma alternativa para quem consegue se organizar para produzir conteúdo de forma constante são plataformas open sorce ou de baixo custo. Entenda melhor durante a palestra

 

Com quantos produtos devo abrir minha loja virtual?

Tudo depende de sua capacidade de investimento x quantidade de produtos que será ofertada x espectativa de entrega. Se sua loja for especializada ou uma loja de departamentos, o mix de produtos deverá estar equilibrado para gerar uma operação lucrativa. Nem sempre quantidade é sinônimo de lucratividade. Conheça o motivo durante a palestra.

 

O que é taxa de conversão? Isso é um indicador importante?

Taxa de conversão é o índice que mostra quantas visitas realizaram uma compra dentro do seu site. Junto com a taxa de abandono de carrinho é uma das principais métricas de comércio eletrônico, mas deve ser utilizada com inteligência. Veja como durante a palestra.

O que é abandono de carrinho?

É muito comum os usuários adicionarem produtos no carrinho de compras virtual, adicionar o cep e calcular o custo total do pedido apenas como pesquisa e depois abandonar o carrinho para fazer a mesma coisa em outro site. Esta é uma das principais métricas de comércio eletrônico. Veja ideias para melhorar esta taxa durante a palestra.

Como devemos usar o e-mail marketing para vender produtos?

Sempre. Email marketing faz toda diferença quando bem utilizado. Entenda as principais tendências e dicas de uso num contexto cada vez mais mobile.

 

O que é design responsivo e porque isso é cada vez mais importante?

É um design que se ajusta de forma mais agradável nas telas de tablets e smartphones

 

Qual é a diferença entre uma loja virtual própria e um Market Place virtual?

Market Place é um shopping. Reune diferentes lojas que compartilham da mesma plataforma e do mesmo carrinho de compras. Loja Própria é uma loja que utiliza uma plataforma específica.

 

E mais …

Qual é a importância de Smartphones e Tablets para o comércio eletrônico?

Quanto custa uma plataforma completa e personalizada?

Quanto custa uma plafaforma customizável para lojas iniciantes?

Qual é a importância de SEO e Links Patrocinados?

Qual é a importância do storytelling e páginas com descrições longas de produtos?

Qual é o impacto das mídias sociais no comércio eletrônico?

Qual é o tamanho do comércio eletrônico brasileiro?

Quais são meus principais custos com comércio eletrônico?

 

Espero você lá! Leve suas perguntas e transforme esta palestra debate em algo além de nossos limites.

Sábado, 19/10 18h00 no espaço Carlos Gomes da Livraria Saraiva do Shopping Iguatemi Campinas. Vagas limitadas. Palestra gratuita.

Vá e se você não gostar, aproveite para jantar, ir ao cinema ou ao teatro do shopping.

Marketing Digital – Pergunte o que você quer saber

Marketing Digital na atualidade é uma das atividades de marketing que mais está em evidência, assim como SEO ( melhores práticas para aparecer em boas posições nos resultados de busca ). Mas, o fato é que não há mais separação entre Marketing Digital e Marketing Tradicional ou Marketing Digital e Qualquer outro Marketing.

Se você ainda divide seu negócio entre a Loja Física e o Site, você está morrendo aos poucos. Agora, tudo é uma coisa só. O mesmo cliente compra e visita seus espaços físicos e virtuais. Não há mais diferentes canais de compra, o canal é único e se você ainda não se deu conta disso, pode ser que seus concorrentes estejam nascendo de forma onipresente onde o site estimula a visita na loja e o aplicativo para iPhone ajuda a decidir qual produto comprar junto dos comentários que o cliente lê no Foursquare ou Facebook.

Para de afirmar para você mesmo que ” no seu negócio não é assim que funciona” e assuma o controle desta revolução que já está em andamento e não tem mais volta.

Quais são suas dúvidas sobre esta mudança e sobre esta geração de consumidores que está obrigando você a mudar sua forma de vender? Pergunte! Use o campo de comentários e faça sua pergunta que terei prazer em lhe oferecer a melhor resposta possível.

PERGUNTE AGORA

veja também:

# Dia 19/10 tem palestra gratuita na Saraiva do Shopping Iguatemi Campinas, 18h00
Eu vou falar sobre Negócios pela net: um bom negócio? no Café Filosófico organizado pela Unisal
É de graça e as vagas são limitadas.

5 tarefas de marketing para um restaurante vender melhor

1. Crie um produto único
Este será o seu diferencial na temporada e irá despertar a curiosidade do consumidor

O ser humano gosta de experiências novas, gosta do novo, do diferente. Isso faz as pessoas se sentirem mais vivas, principalmente quando a experiência envolve vários sentidos – paladar, olfato, visão, audição e tato.

Ir jantar em um restaurante é uma dessas experiências multissensoriais. Muitas vezes os potenciais clientes desejam conhecer um estabelecimento novo, com uma decoração arrojada, pratos diferentes e saborosos, mas acaba ficando inibido pela percepção do local ser muito caro ou não ser para o perfil dele.

Por isso é importante que você desenvolva uma categoria de produtos que são únicos e que sejam diferentes. A curiosidade por conhecer estes produtos deverá ser algo tão forte quanto o “medo” de conhecer o restaurante.

Quando o cliente conversar com alguém que foi experimentar o produto, vai ficar interessado, fazer perguntas sobre se foi bom, se o preço vale a pena, se o lugar é legal. Aos poucos ele vai aumentando o desejo de experimentar, principalmente se alguns amigos já experimentaram a novidade.

 

2 – Torne este produto acessível e seletivo simultaneamente.

Este novo produto será o convite de entrada para que o consumidor possa fazer o teste inicial no seu restaurante. A maioria das pessoas leva pelo menos um acompanhante para comer algo. Portanto o preço deve ser convidativo e ao mesmo tempo seletivo – é acessível mas não é para todos.

Na mente do consumidor ele cria a situação de consumo, imagina o quanto vai gastar, se o espaço irá proporcionar uma boa experiência, se o serviço será de qualidade, enfim, cria expectativas e avalia se são condizentes com o preço que irá pagar para.

Por isso, o produto isca deve ser acessível e seletivo simultaneamente – é bom, é uma oportunidade, não é para todos mas é para mim. Esta é a percepção que deve ficar na mente do consumidor após ser impactado pela comunicação.

 

3 – Selecione as mídias  para obter a melhor relação custo / ação
Melhor não significa apenas mais barato. É preciso encontrar o perfil de uma mídia que fale de forma diferenciada e impactante com o seu público-alvo para enviar a mensagem de forma única.

Escolha mídias de amplitude regional, contextualizadas e de alto impacto.

Para ações regionalizadas, placas de outdoor sempre deverão ser cogitadas como canal eficaz de comunicação.

Mapeie a rotina do seu público-alvo e escolha as placas baseando-se nestes passos do dia-a-dia.

Para ações regionalizadas, você sempre deverá lançar mão de ferramentas complementares como o Google Places e o Foursquare, onde a informação divulgada em outras mídias será complementada e melhor detalhada, com a vantagem de poder ser totalmente mensurada em número de acessos, comentários, indicações positivas ou negativas e até mesmo cadastros de usuários.

Por isso a melhor relação custo / ação será obtida quando se envolve uma mídia de amplo alcance com a internet, onde se mede as ações individualmente e produzindo informação detalhada sobre metas e resultados, além do faturamento.

 

 

4 – Comunicação limpa e objetiva e chamando para ação

Tenha em mente que o consumidor terá 3 segundos para ler a placa de outdoor quando não estiver parado em um semáforo.

Por isso a arte deverá ser de alto impacto visual e fazer o consumidor entender o que você está vendendo, se é para ele, quando, onde e como ele compra.

No segmento de alimentação, a foto faz 80% do trabalho. O resto é texto. Por isso tenha em mente que você terá que fazer a produção de alguns testes do prato ou produto que deseja fotografar, e que de preferência seja no seu estabelecimento. Isso será de vital importância no impacto final sobre as vendas.

Depois da foto, o preço é a segunda informação mais importante. Pense no preço ideal para mostrar que é acessível mas não é para todos, assim você irá conseguir segmentar. Preço é um das melhores ferramentas de segmentação de marketing.

Portanto a imagem do outdoor irá mostrar que é algo de qualidade, algo bom e diferenciado. Vai criar uma percepção que irá começar a segmentar o extrato do público que você deseja.

O preço irá mostrar é uma boa oportunidade de experimentar algo novo para que no futuro, em novas ocasiões especiais o cliente conheça um excelente local para jantar novamente.

Assim, em 3 segundos, você deu o primeiro passo para gerar uma percepção adequada para impactar as vendas do seu negócio.

 

5 – Tenha o melhor atendimento do mundo

Muito bem. Nós conseguimos levar clientes para o restaurante. Tenha cuidado para que você não tenha subdimensionado sua capacidade de atendimento, pois agora é hora de você promover a melhor experiência dos últimos tempos para seus novos clientes.

Fazê-los esperar demasiadamente. Não ter o produto anunciado em estoque. Ter poucos garçons atendendo. Estes são pontos cruciais e que irão determinar se estes clientes voltarão mais vezes ou não. Pontos que na maioria das ações promovidas pelos clubes de compra coletiva geram experiências desastrosas – filas gigantes, esperas intermináveis, falta de ingredientes dos pratos divulgados e clientes que só irão voltar em outra ação igual.

Simplesmente você terá que oferecer um atendimento impecável. Assim você estará fidelizando os clientes que foram experimentar seu estabelecimento.

Marketing Digital e o básico que você precisa ter no seu site para ele vender melhor

Marketing Digital é uma palavra que cada vez mais está em evidência. Há muito modismo nisso tudo e a verdade é que o bom e velho marketing, ou pelo menos os seu princípios básicos, continuam sólidos. O que mudou, e de forma avassaladora, foi o jeito de aplicá-los além da velocidade de divulgação e mensuração que a tecnologia e a internet juntas conseguiram imprimir neste cenário.

Mudou tão rápido e em tão pouco tempo que podemos afirmar que hoje há uma parcela da população que são analfabetos digitais 2.0. Estes que antes eram aquelas que não sabiam mexer no word, excell e power point e hoje são  não conseguem usar a internet para tomar decisões de compra, venda ou lugares para frequentar por exemplo.

Muito bem, a apresentação abaixo faz parte da Palestra 10 características de sites que vendem mais. Eu também escrevi um post sobre este assunto.

Quem tiver alguma dúvida ou quiser fazer alguma pergunta sobre a palestra, pode usar os comentários.

Marketing Digital – Meu site tem muitas visitas, mas os usuários não compram meus produtos e serviços

Marketing Digital, Marketing de Conteúdo, Email Marketing, Marketing Direto, Marketing disso, Marketing daquilo…

marketing digital desenvolvimento de sites email marketing e marketing de conteudo

Há uma afirmação cada vez mais sólida no momento atual de marketing: não há mais a separação em marketing digital e marketing off line, ou mídia digital e mídia tradicional. Simplesmente tudo é marketing.  O multicanal abriu espaço para o canal unificado. Internet, mídia tradicional, ponto de venda, tudo está interligado.

Agora, o que liga tudo isso é a internet, e no caso de uma pequena empresa é o site dela. É com ele que a empresa irá mensurar de fato o resultado das ações de marketing digital e tradicional de forma sistemática, automática, produtiva. É você pode fazer isso de formas simples ou de formas complexas,  extremamente na medida da sua necessidade.

Por isso, cada vez mais, cada centavo que você investe em marketing e propaganda pode ser medido em sua eficácia, ou seja, você consegue mensurar quantas visitas se tornam cadastros e quantos cadastros se tornam orçamentos e quantos orçamentos se tornam clientes com um determinado ticket médio de compra.

Você determina exatamente qual foi o custo de cada contrato fechado. Exatamente.

Se você ainda não faz isso ou se simplesmente por comodidade soma todo o investimento feito em marketing ( pesquisa, desenvolvimento de proposta e produto, propaganda, ações para produção de leads, etc… ) e divide pelo número de contratos fechados, ou compras realizadas, pode estar desperdiçando muito dinheiro pois, neste bolo de investimento, em média 30%, não serve para nada, não produziu nenhum lead, nenhum pedido de orçamento, foi apenas custo.

Você fez investimentos em internet, site otimizado para mecanismos de busca, faz links patrocinados, anúncio e fan page no facebook, tudo que está na moda, mas não fecha a venda. Tem visitas, e não tem pedidos de orçamento por telefone ou por e-mail.  Afinal, o que é que está acontecendo?

Veja abaixo 4 características de um marketing meia boca que pode estar afetando o desempenho do seu negócio:

 

1. O site não segue regras básicas de SEO

Não adianta ter o site perfeito em termos de arquitetura da informação , visual e funcionalidades se ele não aparece nas primeiras páginas dos mecanismos de busca como o Google, para termos-chave relacionados com o segmento de atuação do seu negócio.

Se o seu site não obedecer estas regras, você terá que pagar links patrocinados para aparecer em boas posições que geram visitas ao seu site. Isso custa caro. Geralmente para fazer uma campanha de links patrocinados com foco em 1 grande cidade você irá gastar cerca de R$ 30 a R$ 50 por dia para termos-chave com uma boa concorrência. Há alguns termos que podem chegar até R$5,00 o clique enquanto outros ficam entre R$0,50 e R$0,70.

Resumindo, se não otimizar bem o site, somente terá tráfego se investir bastante em links patrocinados e em propaganda impressa.

 

2. O site tem as regras básicas de SEO, mas não tem visitas

Um site que seguiu as diretrizes básicas de SEO estará pronto para conquistar boas posições nos resultados se foi realizado um estudo detalhado de como os usuários buscam na internet o que sua empresa vende.

Não basta estar bem otimizado para a sua marca. É preciso estar bem otimizado para o jeito que os usuários pesquisam na internet. Do contrário, você não irá captar as visitas desta demanda existente e que realiza buscas muito específicas ( long tail) . Para isso é fundamental que o processo de análise do universo de palavras-chave seja feito com ferramentas adequadas, como por exemplo a ferramenta de palavras-chave do Google, aliadas a outros sitemas de desenvolvimento e monitoramento de campanhas de SEO.

Também é comum o cliente achar que já sabe qual é a palavra-chave principal do seu negócio e qual irá gerar visitas no site. Na grande maioria das vezes as palavras-chave intuitivas, que são aquelas que pensamos em primeiro lugar quando avaliamos como se busca na internet o que o a empresa vende, representam uma fração de toda a demanda de busca do seguimento que envolve a palavra-chave, que não necessariamente produzirá tráfego para o site.

É preciso trabalhar variações de sinônimos além de variações mais específicas em todo o conteúdo do site. Além disso é necessário produzir conteúdo único e de alta qualidade para o processo de decisão de compra do cliente.

Por exemplo, é uma regra básica uma página ter o mínio de 300 palavras em seu corpo e a densidade da palavra-chave, ser da ordem de 6%, ou seja, entre estas 300 palavras se deve ter 18 palavras-chave. Para que o texto faça sentido é preciso ter uma escrita racional, com começo, meio e fim e com a distribuição adequada das palavras-chave alvo em parágrafos, posições e formatações específicas no texto.

Também, não deixando de ser muito comum a configuração do arquivo robots.txt estar bloqueando o acesso dos mecanismos de busca ao mapeamento e indexação do site. Esta configuração equivocada pode se dar por desconhecimento ou até mesmo desleixo da empresa contratada para desenvolver o site.

 

3. O site tem SEO e visitas, mas não recebo ligações nem e-mails pedindo orçamento

Começamos aqui a entrar um pouco mais na parte de marketing que diz respeito às responsabilidades do cliente na maioria dos casos.

Para um site converter visitas em resultados, seja o preenchimento de um cadastro, seja a solicitação de um orçamento por e-mail ou uma simples ligação em busca de informações, é preciso organizar a informação do site de modo que o volume de visitas que chega ao site seja orientado por um call to action objetivo, simples e claro.

O call to action  nada mais é do que uma chamada clara orientada para o usuário com a ação que desejamos que ele faça. Clique aqui, peça um orçamento, cadastre-se, preencha o formulário e veja o preço, são alguns exemplos de ações que deverão ser aplicados dentro de um contexto específico com uma formatação visual específica em uma posição específica no seu site.

Esta organização de conteúdo orientada para a ação pode se denominada de Arquitetura da Informação.

Há muita gente picareta no mercado que apenas organiza o conteúdo no site como se fosse um folder impresso.

Este jeito de fazer marketing é da época dos dinossauros. O que manda hoje em dia é o conteúdo focado na solução dos problemas do seu cliente.

Você deve contar quais são os problemas que você deseja resolver e detalhar o perfil de quem tem estes problemas. Você deverá deixar claro o que o usuário precisa ter ou ser capaz de fazer para conseguir usufruir ao máximo o que você tem para oferecer. Você deverá deixar claro as faixas de preço que você trabalha ( se não quiser colocar isso no site, diga suas faixas de preço na primeira ligação ) para economizar o seu tempo e o tempo do seu cliente.

Podemos resumir 10 características de sites que vendem melhor e são grandes máquinas de produção de demanda qualificada, interessada em comprar o que você faz e vocês podem encontrar mais sobre este tema em um artigo específico sobre isso no meu blog de marketing digital.

 

4. Meu site tem SEO, visitas, contatos de orçamentos mas não gera vendas.

Se todas as etapas anteriores foram bem feitas, é muito provável que a empresa não tenha um bom diferencial. Por conta disso acaba entrando em guerra de cotações de preço, pois o cliente não percebe por que valerá apena pagar mais pelo serviço ou produto oferecido.

Não tem marketing digital nem site otimizado que resolva o problema!

É preciso trabalhar o produto, entender as reais necessidades do cliente final, a faixa de preço que o público-alvo aceita pagar pelos benefícios oferecidos e claro, entender qual é o diferencial competitivo da empresa, produtos e serviços.

É preciso ter muito claro o que somente sua empresa consegue oferecer e qual é o valor que merece ser pago por isso.

Se está difícil de você entender qual é este diferencial na sua empresa, o seu negócio terá como único diferencial a guerra de preço e quando se trata de guerra de preços sempre tem um cara afim de quebrar a empresa antes de você.

Por isso, se você tem demanda e não fecha vendas, seu portifólio está com produtos e serviços que não estão adequados às necessidades do público-alvo que você considera adequado, ou pelo menos gostaria de atender.

Marketing é o que se faz para vender melhor

Se você não está vendendo melhor, você não está fazendo marketing. Ponto.

Quais são os problemas que você quer resolver e quem tem estes problemas?

Dos que tem estes problemas, quantos estão dispostos a pagar o valor pela forma que você resolve estes problemas?

Qual é o valor que você irá cobrar por resolver estes problemas?

Porque quem decidiu comprar o que você faz escolheu você e não o seu concorrente?

Se você não tem estas respostas de forma clara e objetiva em sua mente, você não tem marketing na sua empresa.

Aposto que seu concorrente tem.
Por isso, você está esperando o que para obter estas respotas?
O seu cliente te contar?
É melhor você esperar sentado…